Pular para o conteúdo

NÚCLEO DE IPOJUCA GARANTE DIREITO À LICENÇA MATERNIDADE DE ADOTANTE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

a Defensoria Pública de Pernambuco garantiu o direito à licença maternidade previamente negado à moradora de Ipojuca, Região Metropolitana do Recife. 

Uma professora, ocupante de cargo de servidora pública, cuja identidade é legalmente preservada, após passar pelo processo de adoção, obteve a guarda de uma jovem de quinze anos. 

Porém ao solicitar o período de licença maternidade, embasada pela necessidade de acompanhar o desenvolvimento da menor, bem como estreitar os laços, a adotante recebeu a negativa da Secretaria de Estado negou a licença-maternidade. 

O Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), fundamentado pela Lei 8.069/90, aponta o caráter imprescindível da convivência para consolidar a adaptação da parte adotada. 

O Núcleo da Defensoria em Ipojuca, ao assumir a representação jurídica da adotante, requereu a concessão de liminar para suspender o ato impugnado, a fim de preservar o direito ao gozo da licença.

O Defensor Público Vinicius Tonon atuou perante o quesito.

A atuação defensorial utilizou a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), cujos pressupostos garantem os princípios da proporcionalidade para justificar o pedido da liminar. 

Também o art. 7o da Constituição da República, a estabelecer no rol de direito do trabalhador, “a licença gestante, sem prejuízo do emprego ou do salário, com duração de cento e vinte dias, conforme redação do inciso XVIII”.

A liminar de suspensão teve sua solicitação deferida pelo Magistrado, a considerar descabida a distinção entre gestante e adotante. 

A matéria apresentou repercussão geral reconhecida e inconstitucionalidade mediante as diretrizes do STF, devido ao princípio básico da isonomia.

Na obtenção favorável ao requerimento frisou-se a Lei Complementar nº 471, de 22 de dezembro de 2021, responsável pela modificação do Estatuto do Servidor Público do Estado de Pernambuco, revogando os artigos que em contradição com a Constituição Federal, garantindo às mães adotantes o direito de 120 dias de licença maternidade.

Galeria de Fotos

Notícias Recentes

Siga-nos

Notícias Mais Lidas

Quem Somos

A Defensoria Pública do Estado de Pernambuco é o órgão que cumpre o DEVER CONSTITUCIONAL DO ESTADO de prestar assistência jurídica integral e gratuita à população que não tenha condições financeiras de pagar as despesas de um advogado. Essa gratuidade abrange honorários advocatícios, periciais, e custas judiciais ou extra-judiciais.

Canais de Comunicação

Agendamento da Capital:
Redes Sociais:

© 2022 Todos os direitos reservados

Precisa de
Atendimento?

Escolha entre as ferramentas disponíveis abaixo para continuar.

Skip to content