Pular para o conteúdo

ESCOLA SUPERIOR E A SUBDEFENSORIA DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DA DPPE REALIZARAM UM SEMINÁRIO INOVADOR SOBRE A APLICABILIDADE DA AUTOCOMPOSIÇÃO DE LITÍGIO NO JUDICIÁRIO E DEFENSORIA PÚBLICA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Na última segunda-feira, dia 11 de dezembro, a Escola Superior da Defensoria Pública de Pernambuco promoveu em parceria com a Subdefensoria de Mediação e Conciliação da Defensoria Pública de Pernambuco (DPPE) um seminário pioneiro no âmbito jurídico, destacando a importância e a aplicabilidade da autocomposição de litígio no Judiciário. O evento ocorreu no auditório do Edifício Empresarial Progresso, na Avenida Manoel Borba, no bairro Boa Vista, região central do Recife.

O seminário contou com a participação de renomados profissionais e especialistas na área, que compartilharam suas experiências e conhecimentos sobre a autocomposição de litígios, um tema cada vez mais relevante no cenário jurídico contemporâneo.

A Subdefensora de Mediação e Conciliação da DPPE Jeovana Colaço, destacou a importância da realização do evento na promoção de práticas inovadoras no campo da resolução de conflitos, ressaltando o compromisso da instituição em oferecer alternativas eficazes para a área. “Este seminário representa um marco significativo em nossa busca por métodos inovadores de resolução de conflitos. A autocomposição é uma ferramenta poderosa que merece destaque no cenário jurídico”, explicou Jeovana Colaço.

Maria Luiza Ramos, Diretora da Escola Superior, explicou que o seminário é um marco no aprimoramento profissional e na formação de defensores públicos capacitados para lidar com métodos inovadores de resolução de disputas. “A Escola Superior está comprometida em ser um agente transformador na formação de profissionais envolvidos. Este seminário é parte integrante desse compromisso, oferecendo uma perspectiva valiosa sobre a autocomposição de litígios”, disse Maria Luiza Ramos.

Primeiro Dia:

O evento teve início às 14h com a cerimônia de abertura, seguida pela palestra da Psicóloga do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, Sônia Carneiro Proto, que discutiu o papel da escuta como instrumento na autocomposição de litígios.

No período da tarde, a Chefe de Secretaria do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC) de Recife, Jacqueline Caldas, trouxe uma abordagem sobre litígio e autocomposição extrajudicial no Judiciário de Pernambuco, com enfoque no âmbito público.

No dia 12, o segundo dia:

A terça-feira iniciou com a mediadora Karina Vasconcelos, apresentando suas reflexões sobre litígio e autocomposição extrajudicial no âmbito privado do Judiciário pernambucano. Em seguida, a Defensora Pública e mediadora de conflitos Christiane Serra Ferreira, coordenadora de Mediação e Práticas Extrajudiciais da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, apresentou os mecanismos de autocomposição extrajudicial de conflitos em sua instituição.

O intervalo para o almoço permitiu a interação e networking entre os participantes, proporcionando um ambiente propício para a troca de ideias e experiências.

Na parte da tarde, a Defensora Pública Rozane Magalhães, titular da 1ª Defensoria do Núcleo de Solução Extrajudicial de Conflitos da Defensoria Pública do Estado do Ceará, abordou a mediação e os círculos de construção de paz como ferramentas de gestão de conflitos familiares. O evento encerrou com um estudo comparativo das experiências debatidas.

O seminário não apenas destacou a crescente relevância da autocomposição de litígios no cenário jurídico, mas também proporcionou um espaço valioso para a troca de conhecimento e aprimoramento profissional. A Escola Superior da Defensoria Pública de Pernambuco reafirma seu compromisso com a formação de profissionais qualificados e a promoção de debates essenciais para o avanço da justiça e resolução pacífica de conflitos.

Notícias Recentes

Siga-nos

Notícias Mais Lidas

Quem Somos

A Defensoria Pública do Estado de Pernambuco é o órgão que cumpre o DEVER CONSTITUCIONAL DO ESTADO de prestar assistência jurídica integral e gratuita à população que não tenha condições financeiras de pagar as despesas de um advogado. Essa gratuidade abrange honorários advocatícios, periciais, e custas judiciais ou extra-judiciais.

Canais de Comunicação

Agendamento da Capital:
Redes Sociais:

© 2023 Todos os direitos reservados

Skip to content