Pular para o conteúdo

DEFENSORIA GARANTE PARTO DE GESTANTE QUE HAVIA SIDO NEGADO POR PLANO DE SAÚDE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

A Defensoria Pública de Pernambuco garantiu, à parturiente, direito fundamental à saúde em virtude de conduta abusiva praticada por sistema de convênio, na cidade do Recife.

Uma jovem de dezenove anos grávida, cuja identidade é legalmente preservada, no dia 26 de janeiro, ingressou no atendimento de emergência na rede particular de hospitais em trabalho de parto. O laudo clínico observou a elevada taxa de pressão arterial, mas após algumas horas de internamento, recebeu alta.

Menos de vinte e quatro horas transcorridas, a gestante retornou e foi encaminhada à ala de observação, sendo constatada pré-eclâmpsia grave. O diagnóstico demandou a interrupção da gravidez, associada à internação na unidade de tratamento intensivo (UTI).

Ao solicitar a realização do procedimento, a obstetra plantonista não logrou êxito mediante o plano de saúde da jovem, o qual decretou carência contratual. Porém, a alegação se mostrava inconsistente. A gestante mantinha histórico adimplente perante todas contrapartidas.

O companheiro da jovem procurou, portanto, a assistência defensorial na manhã do dia 28 de janeiro, enquanto a paciente se encontrava sob iminente risco de ser transferida aos serviços hospitalares públicos.

O caso foi assumido pelo Núcleo de Defesa do Consumidor (NUDECON), coordenado pelo Defensor Público João Paulo Accioly. Impetrada a ação, a tutela de urgência obteve o deferimento, em decisão proferida pela 27º Vara Cível da Capital, com a ordem de efetuação do parto forçado visando salvar a vida da mãe e do bebê.

“Não restou alternativa, a não ser procurar esta casa em busca de garantir seu direito fundamental à saúde, uma vez que não poder ser admitida tal prática por parte da empresa ré,” concluiu João Paulo Accioly.

A Defensoria Pública de Pernambuco garantiu, à parturiente, direito fundamental à saúde em virtude de conduta abusiva praticada por sistema de convênio, na cidade do Recife.

Notícias Recentes

Siga-nos

Notícias Mais Lidas

Quem Somos

A Defensoria Pública do Estado de Pernambuco é o órgão que cumpre o DEVER CONSTITUCIONAL DO ESTADO de prestar assistência jurídica integral e gratuita à população que não tenha condições financeiras de pagar as despesas de um advogado. Essa gratuidade abrange honorários advocatícios, periciais, e custas judiciais ou extra-judiciais.

Canais de Comunicação

Agendamento da Capital:
Redes Sociais:

© 2022 Todos os direitos reservados

Precisa de
Atendimento?

Escolha entre as ferramentas disponíveis abaixo para continuar.

Skip to content